SEO para Sex Shop

Já sentiu como se estivesse a travar uma batalha perdida com o marketing para sex shop?

Não é segredo hoje em dia que o SEO é um pré-requisito fundamental para qualquer intenção comercial de sucesso.

Independentemente de vender donuts ou em dildos, ainda precisa de aparecer tão proeminentemente quanto possível nos rankings da SERP. Caso contrário, será ultrapassado e superado pela concorrência.

O problema é que quando se trata de marketing digital para sex shop (em termos gerais), também tem de lidar com os tipos de diretrizes de publicidade estabelecidas que podem dificultar saber por onde começar.

É pouco provável que os editores pestanejem só de pensar em distribuir anúncios para a Disney Movies – DVDs pornográficos e coisas do género, sendo um assunto completamente diferente.

Como tal, encontra-se numa posição em que sabe que precisa de trabalhar SEO para a sua sex shop online, mas não tem ideia por onde começar.

Mas, embora seja verdade que o SEO e o marketing para sex shop são pelo menos ligeiramente diferentes do “convencional”, isto não significa que assegurar e manter uma vantagem competitiva precisa de ser difícil.

A beleza do SEO moderno

Os motores de pesquisa como o Google existem por uma razão e por uma única razão – para gerir o tráfego online no caminho dos sites e serviços mais apropriados.

Neste momento, 95% de todo o tráfego online (mobile + desktop) é dirigido pelos principais motores de pesquisa. Só o Google lida com cerca de 78% das pesquisas em desktop e cerca de 93% em mobile.

Quota de Mercado do motor de pesquisa Google – Mobile (smartinsights.com)

E, quando o público adulto está atento às lojas de sexo e afins, utiliza o Google como qualquer outra pessoa.

A forma como o Google lida com as consultas de pesquisa hoje em dia é mais sofisticada e, na verdade, mais liberal do que alguma vez foi.

Se procurar por ursos de peluche e chocolates, é exatamente isso que vai encontrar. Se procurar por anéis penianos ou vibradores, é isso que lhe será mostrado.

Contornar as convenções e regulamentos tradicionais sobre publicidade pode ser complicado – a otimização dos motores de pesquisa é uma história completamente diferente.

Quando pensa nisso, publicar anúncios, imagens, blogues ou qualquer coisa de adulto limita-o a plataformas muito específicas.

Em consequência, a exposição dos seus produtos, serviços e negócios em geral é ainda mais limitada.

A diferença com o SEO adulto é que tecnicamente não vai atrás de pistas. Se acertar em cheio com os termos de pesquisa corretos, todas as pistas no mundo irão seguir o seu caminho.

SEO estratégico para Sex shop

É claro que compreender a importância e o potencial valor do SEO para sex shop é muito bom. Mas também é preciso considerar, como se pode ganhar vantagem competitiva sobre os seus rivais.

Afinal, com milhões de sex shops online a competir pelo mesmo negócio, é inevitável que muitos já estejam a concentrar-se fortemente em fazer SEO para a sua respetiva sex shop.

A solução… bem, infelizmente, não existe um método rápido, de “silver-bullet” para ascender imediatamente ao topo do ranking.

No entanto, é evidente que quanto mais cedo começar a concentrar-se na estratégia de SEO, mais rapidamente começará a ver resultados.

Não se iluda – classificar de forma proeminente as palavras-chave mais óbvias e competitivas é sempre difícil.

Pelo contrário, concentre os seus esforços em termos ou questões mais específicas e terá muito mais hipóteses de ganhar volume de procura.

Por exemplo, poderia concentrar-se em termos como “Como atingir um orgasmo usando um brinquedo sexual” ou “Como escolher o vibrador perfeito”, para atrair aqueles que procuram conselhos e apoio genuínos.

Muito mais eficaz e viável do que concentrar-se em termos amplos como “Grande vibrador” ou “Sex shop online“.

Um dos maiores erros cometidos por muitos empresários é o de simplesmente lançarem a sua rede demasiado larga/ampla, em vez de aperfeiçoarem a sua abordagem para se concentrarem em termos e frases mais específicos e relacionados com produtos exclusivos..

Um recurso para todos os sentidos

Se alguma vez existir o segredo para o sucesso do SEO para sex shop, seria este:

Concentrar-se na criação de um recurso de valor global, em vez de uma máquina de venda automática online.

Quando se pensa nisso, todos os produtos que se oferecem atualmente podem provavelmente ser comprados noutro local. Podem até estar disponíveis noutro lugar a um preço mais baixo. 

Como tal, o que traz clientes ao seu website e os faz voltar, é o valor e experiência que oferece que vai para além dos produtos em si.

Mensagens de blogues, tutoriais, notícias da indústria, mensagens de convidados, vídeos, artigos úteis e assim sucessivamente – todos os tipos de conteúdo que o Google e os restantes motores de pesquisa têm em conta quando atribuem posições SERP.

Se simplesmente não tiver tempo e/ou inclinação para lidar manualmente com todas essas responsabilidades, a procura por um consultor de SEO é altamente recomendada.

Google anuncia: Mobile a partir de Março de 2021 será mandatário

O Search Engine Optimization (SEO) envolve vários processos para melhorar o ranking de determinado website na página de resultados dos motores de busca (Search Engine Results Page, SERP) do Google ou outros motores de pesquisa. A jusante dessa otimização, há que entender o que fundamenta esse rankeamento, para o poder melhorar. Esse rankeamento é alavancado em quatro momentos.

Ranking: 4 momentos-chave

Primeiro, o crawling, também conhecido por “rastreamento” em português, no qual os bots do Google seguem os links e rastreiam as páginas da internet.

De seguida, é feita a indexação, de acordo com os resultados do anterior processo de crawling. Estes são armazenados nas máquinas do Google, formando um índice.

Depois, num terceiro momento, temos a busca propriamente dita. Isto é, quando alguém faz uma pesquisa no Google (por exemplo) e este, por sua vez, faz a sua pesquisa nas páginas do índice.

Por quarto e último, temos o rankeamento, momento em que as páginas no índice são analisadas e rankeadas, de forma a definir a sua posição na página de resultados do motor de busca (SERP).

Google John Mueller Mobile Index
Jonh Mueller (Webmaster Trends Analyst na Google)

Antes de 2016, o crawling e a indexação eram feitos pelos bots do Google como se estivessem a aceder a partir de um dispositivo desktop. Quer isto dizer que a versão a ser indexada e rankeada era aquela emanada dos computadores tradicionais. Mesmo que a pesquisa fosse feita a partir de um smartphone, os resultados nas primeiras posições das SERP eram baseados no ambiente desktop.

Mas o mundo mudou e o Mobile First Index Google chegou, agora de forma definitiva, depois de alguns anos de ensaios, testes e trabalho de campo. A gigante tecnológica norte-americana anunciou recentemente a chegada do Mobile First Index para Março de 2021. O lançamento estava previsto para Setembro deste ano, mas a pandemia veio complicar as contas da empresa sedeada em Mountain View, na Califórnia.

O que é o Mobile First Index?

Os índices do Google têm-se vindo a adaptar aos comportamentos dos utilizadores e o Mobile First Index Google é disso exemplo. O Mobile First Index Google já é um fator de rankeamento relevante há algum tempo, correspondendo às evidências – suportadas por dados – que comprovam a mudança de comportamento dos utilizadores.

Por exemplo, sabia que 3 em cada 5 pesquisas na internet são feitas através de dispositivos móveis? Quer isto dizer que o mobile já ultrapassou o desktop como ponto inicial para as buscas na internet.

Há ainda outro dado curioso, que nos diz que 77 % das pesquisas efetuadas com dispositivos móveis são feitas no trabalho ou em casa. Quer isto dizer que já não é só quando os utilizadores estão numa situação de mobilidade – na rua, por exemplo – que o mobile é o seu meio preferido. 

Segundo a Digital-Stats citada num artigo de Neil Patel, 75% das pesquisas mobile produzem pelo menos duas ações consequentes. Isto é, convertem.

(Fonte: https://neilpatel.com/blog/mobile-first-indexing/)

No mesmo artigo, é referido que a taxa de conversão situa-se nos 90%. De acordo com os dados revelados por Neil Patel, 9 em cada 10 pesquisas em aparelhos móveis resultam numa visita ou numa compra.

Finalmente, em 2016, o tráfego de dispositivos móveis (como os tablets e os smartphones) superou o tráfego oriundo de desktops. Nesse ano, o Google iniciou os testes de um novo tipo de indexação – e o Mobile First Index Google entrou em cena. Esta inovação sinalizou a resposta às mudanças de comportamento dos utilizadores, e também a crescente importância da Experiência do Utilizador para o Google.

Assim sendo, as versões dos websites desenhadas exclusivamente para desktops começaram a ser cada menos relevantes. Ao fim destes anos, a tendência tem agora uma data oficial. A partir de Março de 20021 o Mobile First Index Google será mandatório. Quer isto dizer que a versão do seu site dedicada aos dispositivos mobile – e não a versão para desktop – será aquela a ser indexada pelo motor de busca.

A mudança na indexação está a ser feita de forma gradual, mas na primavera do próximo ano, o seu site mobile ou site responsivo será a versão com que terá que se preocupar mais. O facto do site mobile ser o preferido do bot não significa que deixará de ser visualizado em ambiente desktop.

A questão é esta: o Google vai indexar a sua página baseando-se na forma como um smartphone vê a sua página. O índice será único e os momentos importantes – crawling, indexação, rankeamento – terão base nos dispositivos móveis. Do ponto de vista estratégico, convém dizer que a ascensão do site mobile como ponto de referência para o Google traz um convite implícito: se não mudou ainda, esta é a hora de mudar.

O que é um site mobile?

O que é um site mobile?

Atualmente, há dois tipos de sites que podem ser vistos em ambiente mobile: o site responsivo e o site mobile. O site responsivo adapta-se automaticamente ao dispositivo que o utilizador está a visualizar, ajustando-se ao tamanho de tela. De forma simples: o site será exibido da melhor forma para cada dispositivo.

O site mobile é desenhado especificamente para dispositivos móveis, como tablets ou smartphones, não sendo visualizado em computadores. O site mobile reconhece o dispositivo do utilizador e conduz o visitante ao site mobile, que funciona assim como um segundo site.

O que as empresas devem fazer para resolver esta situação?

Se o site da sua empresa foi criado pensando apenas na exibição em computador, se não é um site responsivo ou se não tem um site mobile, tenha o mês de março em mente. A partir daí, o Google irá indexar essa versão e, consequentemente, penalizar o seu rankeamento, visto que a páginas do seu site não são mobile friendly.

Para analisar o seu website pode consultar a ferramenta Google Testmysite da Think With Google. Outra ferramenta interessante disponibilizada pela Google é o Mobile-Friendly Test, que afere a resposta da sua página ao ambiente mobile.

No caso de pretender fazer um upgrade ao seu site, para um site mobile ou para um site responsivo, lembre-se de pensar em vários fatores. Deve, antes de mais, pensar em criar uma boa experiência mobile-first. Isto é, algo que tenha em conta, em primeiro lugar, a experiência do utilizador em ambiente mobile.

Se já tem um site mobile, com menos conteúdo do que a versão para desktop, inverta as prioridades. Mobilize os conteúdos – e os conteúdos que quer rankear – da versão desktop para o site mobile, adaptando-os naturalmente a este ambiente. De futuro, só os conteúdos mobile serão indexados e rankeados. Considere ainda:

  1. Verificar e otimizar a velocidade de carregamento das suas páginas;
  2. Utilize as Accelerated Mobile Pages (Páginas Aceleradas para Dispositivos Móveis), uma estrutura de página otimizada para mobile que carrega de forma mais ágil;
  3. Use dados estruturados e meta-tags nas duas versões (desktop e mobile);
  4. Confirme a eficácia do seu site mobile no Google Search Console, vendo como os bots do Google olham para a sua página;
  5. Produza conteúdo de qualidade nas duas versões;
  6. Foque-se no SEO Mobile.

Quer tornar a sua página num site mobile ou site responsivo, pronto para o Mobile First Index Google em Março de 2021?

Updates do Algoritmo do Google: Como manter-se atualizado?

Depois de um evento extremamente bem sucedido em 2018, a iGB Affiliate Conference voltou a Lisboa para a edição deste ano do encontro dedicado ao iGaming. A UniK SEO participou no evento e o nosso Business Director, Grégoire Lacan, deu uma palestra sobre os updates do algoritmo do Google: All We Hear is Radio Google. Neste artigo, tratamos os principais tópicos discutidos na apresentação. No final, poderá encontrar o PDF com a apresentação completa para download gratuito.

Porque é que precisa mesmo de ler este artigo? A verdade é que gerir um negócio e lidar com as complexidades dos updates do algoritmo do Google não é uma tarefa fácil – nem mesmo para os melhores players da indústria. Estar preparado para adaptar rapidamente as suas estratégias é uma questão de organização, conhecimento e experiência. De facto, ser capaz de seguir de perto as regras do Google é uma parte crucial de qualquer estratégia de SEO e uma prioridade para todos os profissionais da área.

All We Hear is Radio Google: Entender as Atualizações do Algoritmo do Google

Compreender o Google e as suas atualizações ao algoritmo é, sem dúvida, de extrema importância para qualquer profissional do SEO – afinal, trabalhar com o Google é o nosso trabalho. Contudo, para empresários menos envolvidos ou marketers sem especialização, pode parecer difícil acompanhar todas as atualizações ao algoritmo que rege a web. Damos-lhe a conhecer melhor os updates ao algoritmo para que possa compreender como melhor direcionar a sua estratégia.

O que é uma Atualização do Algoritmo?

Apesar de nem sempre repararmos, a verdade é que o Google altera o seu algoritmo de ranking quase diariamente.

Para compreender as atualizações ao algoritmo, o primeiro passo é compreender o próprio Google. Mesmo enquanto entidade orientada para o utilizador que tem como objetivo “organizar a internet”, o Google continua a precisar de fazer lucro. As atualizações ou updates são a forma que o Google tem para gerir a comunidade online de forma a ir ao encontro de todas estas metas.

Os algoritmos ajudam os motores de pesquisa a medir a relevância e qualidade dos websites, permitindo-lhes construir o ranking nas páginas de resultados de uma forma que privilegia os seus objetivos.

Nos seus primeiros anos, o Google fazia apenas uma pequena quantidade de updates anuais aos seus algoritmos. Com o avanço da era digital, hoje existem pequenas alterações feitas todos os dias – a maioria das quais não são anunciadas e acabam por passar despercebidas – e alguns updates mais significantes, implementados com menos frequência. Em suma, atualmente existem milhares de mudanças todos os anos – o que corresponde a 2 ou 3 por dia. Quão difícil pode ser acompanhar tudo isto?

Como Estar Preparado

Independentemente de quão desafiantes os updates ao algoritmo do Google lhe possam soar neste momento, é possível usá-los da melhor forma e mesmo para sua vantagem, ultrapassando a concorrência.

Não há dúvida que as atualizações do algoritmo do Google se estão a tornar mais omnipresentes. Em tempos como estes, é crucial que nos mantenhamos white-hat, informados e reativos com o SEO, reforçou Grégoire.

Sumariamente, o nosso orador apresentou os seguintes como sendo os principais tópicos aos quais prestar atenção:

  • Não se deixe relaxar: Não importa quão bem sucedido o seu SEO é neste momento, nunca está em segurança.
  • Invista sempre na criação de conteúdo de qualidade: Como é comum dizer, o conteúdo é rei. Dê sempre prioridade à experiência do utilizador, já que o Google a considera um dos principais fatores que contribuem para a classificação do seu site no ranking. De facto, a maioria dos updates são lançados tendo em mente o melhoramento da UX.
  • Construa backlinks naturais, uma vez que estes são decisivos no direcionamento de tráfego orgânico de qualidade para o seu website.
  • Faça auditorias frequentes ao seu site. É imprescindível ter noção do estado do SEO do seu website, especialmente porque ele pode mudar rapidamente com as atualizações do algoritmo do Google.
  • Leia tanto quanto lhe for virtualmente possível: É importante estar informado sobre a história, situação atual e previsões futuras para o SEO. O melhor conselho que lhe podemos dar é que preste atenção a blogs, newsletters, comunidades online e grupos nas redes sociais de SEO.

Faça Download do seu PDF Gratuito

Como é costume, disponibilizamos gratuitamente o PDF da apresentação de Grégoire. Faça download do mesmo para aceder a mais informações sobre os tópicos apresentados pelo nosso Business Manager na sua palestra no iGB Lisboa 2019.

No PDF, poderá encontrar informação sumarizada sobre os updates mais impactantes ao algoritmo, sobre atualizações relacionadas com iGaming e, o mais importante, mais dicas para preparar o seu website!

Caso tenha alguma questão, por favor não hesite em contactar a UniK SEO. Teremos todo o gosto em clarificar as suas dúvidas.